O verdadeiro Eléctrico 28

Sara2.jpg

O percurso do Eléctrico 28 começa no Martim Moniz e acaba em Campo de Ourique, no Cemitério dos Prazeres. Contudo, como é muito frequentado há eléctricos que fazem percursos mais reduzidos, entre a Graça e a Estrela. Na paragem inicial no Martim Moniz há sempre grandes filas, por isso aconselho a começar a viagem no Cemitério dos Prazeres ou na Estrela. Poderão verificar o percurso e horários no site da Carris!  

A tarifa de bordo nos eléctricos e ascensores é de 2,85€. Se optar por adquirir um cartão Viva Viagem (verde), este custa 0,50€, mas é recarregável e reutilizável. Escolha a opção zapping, carregamento mínimo de 5€, e cada vez que validar o bilhete nos eléctricos/autocarros/elevadores é descontado o valor de 1.25€. Essa validação dura uma hora, o que significa que durante esse tempo poderá viajar as vezes que quiser por esse valor.

Para os turistas com pouco tempo, recomendo o bilhete diário (24h) Carris/Metro que custa 6€. Se validar às 10h de um dia dura até às 10h do dia seguinte. Se fizer mais de 4 viagens este bilhete compensa a sua aquisição.

Espero ter-vos ajudado! Se alguma dúvida persistir, sinta-se à vontade para me contactar

Bons passeios por Lisboa :* Ana Paula Cardoso

PS: Antes de começarem a viagem poderá aproveitar para almoçar no renovado Mercado de Campo de Ourique. Se for hora do lanche, procure pelo “Melhor Bolo de Chocolate do Mundo“! Não se vão arrepender! Se não acharem demasiado estranho, visite o cemitério. É muito bonito e a vista para o Rio Tejo é de cortar a respiração!!!

Notícias em Portugal e no Mundo

“Uma estadia em Lisboa fica incompleta sem um passeio no elétrico 28, que é, simultaneamente, uma atracção para os turistas e um meio de transporte prático para os habitantes”, escreve Alana House, cronista de viagens do jornal australiano The Daily Telegraph! in Boas Notícias.

  • Ainda na sexta feira vi o Electrico 28 em campo de Ourique e me lembrei de ti!!! Tenho que levar o meu filhote numa das suas voltinhas pela cidade. bjs

    • ^^, Fazes muito bem! Já não me lembro quando foi a primeira vez que passeie por lá, mas de certeza que foi a minha mãe que me levou!!! 😀

  • Pedro Filipe Pereira Cação

    Ana,adorei fazer essa viagem c/1amiga minha k morava na Graça nesse ‘Bichinho Amarelo’ tb conhecido cm ‘Montanha Russa 28’.Foi alucinante,mesmo c/os fadistas atuarem a bordo.
    Cumpts

    • Obrigada pelo comentário Pedro! A minha mãe também diz que a viagem no Eléctrico 28 é uma montanha russa 🙂 Infelizmente, nunca tive oportunidade de ver os fadistas actuarem a bordo. Foste mesmo sortudo! 🙂

  • Margarida

    Olá,

    Vivo recentemente em Lisboa. Sabe informar me se o cartão passe viva Lisboa sem ser aquele descartavel de 0.50€ também é utilizado na modalidade zapping onde desconta 1.25€?

    Obrigada

    • Olá Margarida! Desculpa responder com tanto atraso, o próprio cartão do passe (Lisboa Viva) pode ser utilizado como um cartão recarregável verde (Viva Viagem. O passe tendo dinheiro dentro permite-nos utilizar outros meios de transporte que não estão incluídos no passe. Contudo, já me aconteceu o passe acabar e eu conseguir passar nas cancelas porque se descontou dinheiro como um bilhete normal 🙁 Aproveito para esclarecer que o valor de 1.25€ só se aplica a viagens na Carris e no Metro, por exemplo, no comboio descontam automáticamente 1.80€.

  • Pingback: 10 actividades imperdíveis em Lisboa – Portugalbycar()

  • Nívia

    Olá,
    O cartão viva viagem, por ser mais prático , pode ser carregado de imediato por muitas horas , para quem vai permanecer na cidade por 4 dias?
    Ele pode ser colorado logo no aeroporto?
    Obrigada

    • Olá Nívia!

      Na estação de Metro do Aeroporto, pode-se comprar logo o Cartão verde Viva Viagem e carregar com dinheiro ou viagens. Há também um bilhete diário que custa 6€ e tem viagens ilimitadas do metro e da carris por 24h, eléctricos e ascensores incluídos.Toda a informação detalhada está aqui: http://carris.transporteslisboa.pt/pt/pre-comprados

      Também existe o Lisboa Card que viagens ilimitadas no Metro e nos autocarros, eléctricos, elevadores da Carris, assim como nos comboios na Linha de Sintra – Rossio e da Linha de Cascais – Cais do Sodré. Além de entrada gratuita em diversas atracções e descontos em outras tantas.

      Mais informações: http://www.askmelisboa.com/web-store/pesquisa-lisboa-card.html

      Qualquer dúvida é só dizer 🙂

  • Nívia

    Posso comprar o cartão viva viagem para mais de 24 horas de transportes ?
    Esse cartão dá direito ao metrô e elevadores( Sta justa. Lavra etc)?

    Obrigada

    • Nívia, o máximo que existe é mesmo o bilhete de 24h no Viva viagem (6€) e é válido para o metro e carris (autocarros, elevadores e eléctricos). O Lisboa Card tem mais duração de horas, mas como incluí entradas em monumentos e museus é mais caro. 24h – 18,50€, 48h – 31,50€, 72h 39€ são os preços para um adulto.

      • Nívia

        Bom dia, Ana Paula,
        Tantas perguntas para quem ,como eu, é visitante de muitas vezes, e só anda em Lisboa de táxis, ou à pé, mesmo.
        Mais uma dúvida, o cartão viva viagem ao ser recarregado, poderá ser por mais 24 horas , e então, eu pagarei mais 6 euros?
        Obrigada.

        • Exacto! Desde que o cartão esteja vazio pode-se carregar um novo bilhete diário de 6€. Se fizermos mais de 5 viagens entre metro e carris num dia, o bilhete diário compensa 😉

          • Nívia

            Muito obrigada !!!
            Uma uma …Restando créditos ,ainda, mesmo tendo expirado o prazo de validade das 24 horas, o preço da recarga permanece 6 euros, ou esse crédito restante conta diminuindo esse valor para a nova recarga?..

            De logo, obrigada mais uma vez!

          • Nívia, comprando-se o bilhete diário, passadas as 24h não resta nada no cartão. Poderá recarregar com dinheiro (zapping) ou comprar outro tipo de bilhete, quer seja diário ou não!

          • stodiana

            bilhete integrado entre a CP e a Transportes de Lisboa. Entre e saia, as vezes que quiser (durante 24h), no autocarro, ascensor, elétrico, elevador, metro e comboio.
            Como utilizar: válido nos comboios urbanos de Lisboa, Linhas de Sintra/Azambuja, Cascais e Sado, por 24h, após primeira validação do bilhete num dos transportes incluídos. É obrigatória a validação do bilhete em cada viagem na CP, na Carris e no Metro.
            Este bilhete é carregado em cartão “Viva Viagem”, válido para um único titular. O cartão recarregável “Viva Viagem” tem um custo de 0,50 €, a acrescer ao preço do bilhete, e validade de 1 ano.
            Preço: 10 €
            Onde comprar: em qualquer bilheteira CP ou máquinas de venda automática dos comboios urbanos de Lisboa.
            Os Clientes devem guardar o talão de carregamento até ao final de validade do título
            – See more at: https://www.cp.pt/passageiros/pt/consultar-horarios/precos/bilhetes-lx#sthash.PrWUYpPd.dpuf

          • Obrigada @stodiana 🙂 Este é um novo título de transporte bastante útil para os turistas 🙂

  • Miguel Keßler

    Muito bem, Ana Paula Cardoso! Já agora, uma nota de curiosidade histórica sobre o «verdadeiro eléctrico 28»:
    A linha 28 do eléctrico de Lisboa resulta da fusão de duas linhas distintas de transporte público, a saber, o funicular da Estrela, que fazia o percurso do 28 entre a Estrela e a Rua do Loreto, junto ao Largo Camões, e o eléctrico, ainda sem número, que fazia o percurso entre o Rossio (frente à “Tendinha”) e o Largo Camões. Nesse sentido, o «verdadeiro eléctrico 28», o primeiro, era o do percurso Rossio-Estrela. Logo depois, foi o prolongamento da Estrela aos Prazeres (Rossio-Prazeres). Após 1945, o 28 ficou-se pela Rua da Conceição, junto à Rua do Ouro (Prazeres-Rua da Conceição) mas, até 1972 – ainda me lembro – continuou a ir ao Rossio aos domingos, feriados e nos outros dias fora das horas de ponta. Depois então é que foi prolongado da Rua da Conceição à Graça (Prazeres-Graça). Podemos dizer que esta é a evolução do «verdadeiro 28», visto que o último prolongamento, recente, dos anos 1980-1990, da Graça ao Martim Moniz (Prazeres-Martim Moniz) resultou da infeliz supressão das linhas de circulação 10 e 11, cujo percurso o 28 passou a assegurar. As linhas 10 e 11 faziam o percurso actual do 28 entre o Martim Moniz e a Rua da Conceição: o 11, no mesmo sentido que o 12, virava na Rua da Prata rumo à Praça da Figueira e daí ao Martim Moniz; e em sentido inverso, o 10 passava directamente do Martim Moniz à Praça da Figueira e à Rua dos Fanqueiros virando finalmente na Rua da Conceição em direcção à Sé. Memórias…

    • Obrigada pela partilha @miguelkeler:disqus ! Não fazia ideia que o eléctrico 28 já tinha passado por tantas peripécias!!! Eu sou mais novinha, só me lembro do percurso do eléctrico com ele está. Agora fiquei com vontade de ir dar uma voltinha 😀

      • Miguel Keßler

        De nada! Os eléctricos são realmente uns “animais” muito castiços… E, já agora, ontem passou-me de ideia uma outra peripécia do 28, de que talvez já se lembre. Há alguns anos, houve umas obras importantes daquilo a que se chama o “reperfilamento” da via pública em parte do percurso do 28, entre a Rua de São Bento (troço inferior) e a Calçada do Combro, abrangendo a Rua do Poço dos Negros e a Rua dos Poiais de São Bento, que foram totalmente repavimentadas, com substituição total dos próprios carris do eléctrico e da base em que assentavam. A circulação do 28 esteve, pois, interrompida ali, enquanto duraram as obras. A curiosidade é que a linha 28 esteve então dividida em duas: uma no percurso normal entre o Largo Camões e o Martim Moniz; e a outra, fazendo o percurso normal entre os Prazeres e a Calçada da Estrela mas, logo que acabadinho de passar o Palácio de São Bento (as “Cortes”, como diria a minha Avó), seguindo pela Avenida Dom Carlos I (“Avenida das Cortes”, no tempo da minha Avó), Conde-Barão/ Boavista/ Rua de São Paulo, Corpo Santo, Rua do Arsenal, Terreiro do Paço, Rua da Prata (Fanqueiros no sentido inverso) e Praça da Figueira…
        Àparte as lembranças pessoais, como esta, se quiser um pouco mais de conhecimento sobre eléctricos, poderá talvez encontrar à venda no Museu da Carris, em Santo Amaro, se ainda houver, um livro pequeno mas com bastante “sumo”, de João Azevedo: «125 Anos Sobre Carris». Bons passeios de eléctrico e boas leituras. Já agora, se tiver oportunidade de ir ao Porto, não perca as sobrevivências de eléctricos que por lá têm: o Museu do Carro Eléctrico, em Massarelos, e as três linhas que mantêm: 1, 18 e 22, esta última nova, com percurso parcialmente recuperado/ parcialmente novo. A não perder…

        • Tanta história que eu não sei… Tenho de ir procurar o livro, pois o conhecimento não ocupa lugar 🙂 Já fui ao Porto, mas não tive a oportunidade de passear de eléctrico por lá. Fica apontado para uma próxima viagem 😀

  • suely nogueira

    Quero reclamar sobre o condutor do Electrico 28 número 545 horário: 12:55 mais ou menos indo para os prazeres, no largo do Chiado ao pé do Metro não me deixou entrar, mas outra pessoa entrou na minha frente, fui andando até o largo dos Camões, ali eu consegui entra, não porque desceu alguém, o meio do Electrico estava vazio, e quando reclamei fui discriminada pelo condutor, por ser brasileira. Outro brasileiro sentiu-se ofendido e começou a reclamar.

  • Pingback: Lisboa: três dicas que não têm nos guias de viagens - Comunicação VIP()

  • Sandrina Vieira

    Olá boa tarde!
    Alguém me sabe dizer quanto tempo leva o percurso? Vou para a semana passar um dia a Lisboa e estava a pensar neste percurso para o roteiro! Obrigada!

  • Robinson vida noronha

    Bem, fui fazer o passeio com o Elétrico 28. Fui à estação Martin Moniz para tomar o elétrico. Foi o meu pior passeio em Lisboa. Cheguei às 18:00 do dia 19 de julho de 2017. Apenas às 20:00 eu consegui embarcar. O motorista um mal educado de primeira linha.
    O passeio é interessante, porém, sem destaque algum. Nada que justifique a espera de 2 horas e o preço do bilhete.
    Como demorou, o elétrico logo logo ficou lotado com pessoas em pé.
    Ao chegar no ponto final, mais uma decepção. Você tem duas possibilidades: rezar para um táxi aparecer ou pegar o próximo elétrico 28.
    Não recomendo a ninguém.

  • Denis

    Boa noite !!!!
    Venho aqui deixar meu comentário ref. Linha 28 , verdadeiro BONDE DO TERROR , LADROES DE CARTERIA BOLSA a todo momento , subindo e descendo é verdadeiro horror venho aqui deixa meu aviso , falta de respeito com turista , nao a polícia entre as linhas e um absurdo , idosos tem que grandeee cuidado vergonha